segunda-feira, 23 de maio de 2016

O Grito da Terra, de Sarah Lark

Sinopse:

A infância de Gloria acaba abruptamente quando a família decide enviá-la para um internato na Grã-Bretanha com a prima Lilian. Embora Lilian se adapte muito bem aos costumes que regem o Velho Mundo, Gloria deseja voltar a todo o custo à terra que a viu nascer, e para o conseguir elabora um plano audacioso.

O sentimento profundo que a impede de regressar a casa vai marcar o seu destino e transformar Gloria numa mulher bem mais forte.

Com O Grito da Terra, Sarah Lark encerra a Trilogia da Nuvem Branca. Nas suas páginas assistimos ao desenrolar da história de amor, das aventuras, do exotismo e da paixão de várias gerações das famílias Warden e O'Keefe. (in Marcador)


Opinião:

Este é o terceiro livro da Trilogia da Nuvem Branca e é mais uma obra da literatura. Penso que ninguém fica indiferente à beleza das palavras e da história que Sarah Lark escreveu, porque seria ficar indiferente à História do nosso mundo e à sua evolução. É ainda uma maneira fantástica de ficar a conhecer mais sobre uma realidade que nem sempre é muito divulgada. Pessoalmente, não conhecia muitas informações sobre a Nova Zelândia e a sua História, apenas que era um dos país para onde iam muitos deportados e fugitivos. Também não sabia muita coisa sobre maoris. Não estou com isto a querer afirmar que fiquei a saber tudo, mas sei que fiquei a saber muito mais do que aquilo que sabia e pude aprender factos históricos muito interessantes com a leitura desta trilogia.

Porém não é só nesta vertente que temos aqui uma história excelente. Toda a escrita, o enredo, as personagens...são todos elementos fulcrais e únicos, que tornam esta história única e inimitável. Não esquecerei estas personagens, que tive o prazer de acompanhar ao longo de décadas da sua vida através destes três livros. Foi com interesse que as acompanhei e que torci com elas em relação às suas aventuras. 

Neste livro encontramos as personagens já mais velhas e acompanhamos principalmente as bisnetas de Gwyn, Lilian (filha de Elaine e Tim, uns dos protagonistas do segundo livro) e Gloria (filha de Kura e William, outros protagonistas do segundo livro). 

Gloria, uma jovem meio maori meio inglesa, vê a sua ambição enquanto herdeira e moradora de Kiward Station, em perigo quando é enviada pela mãe, Kura, para um colégio de artes em Inglaterra. Muito tímida e reservada, Gloria não se dá bem no colégio e nem com a ajuda da sua prima, Lilian, que também vai para o colégio para acompanhar Gloria, consegue superar as atrocidades de que é vítima. Sem amigos e sozinha, Gloria só tem um desejo: voltar a casa, a todo o custo.

Lilian, mais nova do que Gloria, é o oposto desta. Vivaça, faladora e nada tímida, logo se relaciona com todas as colegas e muitas vezes salva Gloria de situações mais delicadas. Com uma mente romântica e um desejo enorme de conhecer o amor da sua vida. Lilian cedo começa à procura do seu príncipe encantado, acabando por o encontrar à primeira, descobrindo posteriormente que é alguém que lhe está proibido. 

No entanto, também acompanhamos outra personagem muito importante: Jack, o filho de Gywn e James. Jack, um rapaz com um coração enorme, descobre o seu amor em Charlotte Greenwood, mas depois de alguns acontecimentos, vê-se forçado a partir para a guerra, acabando por ir parar a Galípoli, onde houve uma das batalhas mais sangrentas da Primeira Guerra. 

Gostei imenso de reencontrar as personagens e de voltar a estar com elas. Gostei muito de Lilian, Jack e Gloria, se bem que também tenha gostado de Charlotte e Ben, bastante, e ainda de Roly, o ajudante de Tim e Jack. Todas as personagens são únicas e fundamentais, e as relações que se estabelecem entre si não podiam ser diferentes. Todas fazem parte do todo e formam um belíssimo quadro que se conjuga na totalidade para formar um enredo rico e complexo. Claro que gostei das personagens presentes nos outros livros. 

Também gostei da maneira como a história das personagens se cruzou com os acontecimentos daquela época, nomeadamente a Primeira Guerra. As descrições e ações das personagens, locais e batalhas, estão excelentes e fortes, dando ainda mais credibilidade ao enredo. Foram momentos de grande tensão, muito bem escritos. 

Outro aspeto que muito me agradou foi a forma como a evolução aconteceu ao longo da trilogia. As modas, as mentalidades, a educação, a medicina, a arte...todos os aspetos sociais que foram evoluindo de modo visível ao longo dos livros e que servem de estudo sobre a nossa sociedade ao longo do tempo. A forma como as personagens se adaptam às modas e crescem com a evolução das mentalidades está perfeita. Desde as personagens femininas a comentarem e apreciarem os vestidos e penteados mais curtos e as calças, até à ida das mulheres para a Universidade e à criação de cursos superiores relacionados com a cultura maori. 

Apreciei imenso a forma como a autora entrelaçou as histórias das personagens e como apresentou o final. Foi um bom final, bonito e épico. Acho que encontrou todo o equilíbrio que havia para encontrar e fê-lo muito bem. 

Este livro está melhor do que o segundo, a meu ver, mas para mim, o primeiro foi o melhor de todos. Um começo forte e memorável, que passa por um segundo volume mais calmo e delicado e que desagua num épico final, cheio de emoções fortes e de temas controversos e fortes. Sem dúvida, estamos perante uma das melhores trilogias da atualidade, que é completamente obrigatória para qualquer leitor que aprecie uma história bem contada, rica e complexa.

Recomendo sem reservas a todos os que gostam de bons livros e de viver as emoções de uma boa história!
A editora Marcador tem imenso mérito por ter "agarrado" uma autora fabulosa. Muito bem! Continuem a apostar em Sarah Lark! E também quero mencionar o excelente design da capa e do interior. 

NOTA (0 a 10): 10

4 comentários:

  1. Estou muito curiosa com esta autora e agora, com a tua opinião, ainda mais fiquei! Acho que não me resta outra alternativa senão ler as suas quatro obras :)
    Beijinhos e continuação de boas leituras como esta(s)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana,

      obrigada pelo teu comentário e por teres gostado =)
      Esta é uma das melhores trilogias que li até hoje, é uma autêntica delicia!

      O A Ilha das Mil Fontes faz parte de outra serie da autora.

      A trilogia da Nuvem Branca é:
      No País da Nuvem Branca;
      A Canção dos Maoris;
      O Grito da Terra

      Bjs e boas leituras =)

      Eliminar
  2. Ois,

    Ainda me falta ler este e tenho muita curiosidade como deves calcular e vejo que o livro ainda está melhor que o anterior o que é um excelente sinal :D

    Parabéns pelo comentário, está excelente ;)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha!

      Tens de o ler, é melhor do que o segundo! Vem mesmo solidificar a mestria da autora =)

      Muito obrigada =)

      Bjs e boas leituras

      Eliminar