segunda-feira, 21 de junho de 2021

Uma Fera Apaixonante, de Christi Caldwell

Sinopse:

Gangues de Londres e a Alta Sociedade. 

Depois de vários acontecimentos, a família Black aceita ajudar uma bela jovem da família rival, os Killoran, a fazer a sua apresentação na alta sociedade, de modo a encontrar um marido que queira enriquecer e dar um título à jovem. Isto porque a jovem é sim um dos mais famosos membros do gangue Killoran, um grupo de bandidos que gere vários negócios na cidade, especialmente dentro do ramo dos clubes de jogo e assim. 

Mas a tarefa dos Black começa a tornar-se difícil, especialmente porque um dos membros, começa a ver na jovem algo mais do que aquilo que ela é. Será que ambos poderão apaixonar-se?


Opinião:

Leitura em conjunto e para o Projeto de Leitura Somos Todas Duquesas. 

Ora aqui está uma leitura muito diferente dentro do género do romance de época. Foi uma lufada de ar fresco neste género literário tão interessante mas que por vezes tende a repetir-se um pouco. Neste livro encontramos bandidos e membros da alta sociedade, há muita ação, muitos momentos emocionantes e uma história de amor bastante credível e bem desenvolvida, onde se nota que os protagonistas estão de facto apaixonados e que têm um forte apelo um pelo outro. Gostei bastante! 

As personagens são bastante fortes, muito interessantes e diferentes. Também o contexto do romance é muito bem desenvolvido uma vez que gira à volta de negócios e outros acontecimentos passados, notando-se assim o cuidado da autora em contextualizar a história. 

A escrita é bastante fluída, revelando grande intensidade nos momentos de ação e nos de paixão. Isso fez com que a leitura fosse muito rápida e intensa. Está muito bem organizado e é possível visualizar os vários momentos da narrativa, uma vez que a escrita é bastante rica (mas fluída)

Gosto de uma boa história de ação e, apesar deste ser um romance de época, podia ser também um livro de aventuras, pois a ação é constante. Em todas as partes e especialmente na reta final, onde a emoção é constante. 

Em suma, é um excelente romance, muito bem escrito e repleto de ação, com personagens intensas e fortes. Recomendo totalmente! 

NOTA (0 a 10): 8

sábado, 12 de junho de 2021

A Outra Miss Bridgerton, de Julia Quinn

Sinopse:

Poppy Bridgerton é uma jovem que gosta muito de aventuras (apesar de levar uma existência pacífica) e que se interessa bastante por alguns assuntos académicos, algo que não é muito usal nas damas da sociedade da época. 

Quando Poppy tenta descobrir o que estava no interior de uma gruta junto à praia, acaba por descobrir mais do que aquilo que esperava e é levada para um barco pelos homens que a encontram no local. Presa num navio com destino a Portugal, praticamente raptada por um capitão que mais parece um pirata, Poppy não sabe como reagir. 

O que ela não esperava era que o capitão fosse um homem bondoso e inteligante que iria ensinar-lhe bastante sobre alguns dos temas que ela mais curiosidade tinha em saber. Será Andrew um belo partido para ela?



Opinião:

Leitura conjunta. 

Neste volume da saga Rokesby, houve muita ação e bastante romance, mas não encontrei o mesmo entusiasmo em relação a grande parte do enredo. Talvez tenha sido do cenário da viagem de barco, que é praticamente o livro todo. Apesar de toda a ação e do livro ter como contexto, num dos momentos, Portugal, não consegui sentir o que geralmente sinto pelas personagens de Julia Quinn. Julgo que gostei mais de Andrew do que de Poppy e gostei bastante da reta final do livro, onde redescobri muita emoção pelas personagens. 

As personagens são interessantes, especialmente Andrew, na minha opinião. Talvez porque tinha curiosidade em saber mais sobre os vários irmãos Rokesby. Talvez porque ele tem um contexto interessante. Poppy também é interessante, uma mulher moderna (para a época) no seu interesse por temas como a Geografia e a Arquitetura. No entanto não me convenceu enquanto protagonista, a não ser depois das aventuras em Portugal. 

Também houve outro aspeto que eu achei um pouco menos desenvolvidos neste volume do que nos anteriores que foi o desenvolvimento do próprio contexto da história. Podia ter sido mais desenvolvido e os acontecimentos podiam ter sido melhor aproveitados de modo a criar momentos mais emocionantes (apesar de haver imensa ação). 

Gostei muito da parte de Portugal aparecer na história e de alguns aspetos históricos que são comentados pelas personagens, uma vez que é sempre interessante encontrar o país numa obra estrangeira. E também gostei muito de como a história ficou resolvida. 

Em suma, é uma leitura leve, que diverte e que tem alguns momentos bastante emocionantes, no entanto podia estar melhor. Recomendo a todos os que gostam dos livros de Julia Quinn. Uma história romântica engraçada e divertida. 

NOTA (0 a 10): 6

domingo, 6 de junho de 2021

Duquesa do meu Coração, de Maya Banks

Sinopse:

Jillian vive uma situação de extrema violência no seu casamento. Quando algo acontece, ela passa a ter um comportamento que a alta sociedade vê como algo demasiado estranho para os códigos sociais da época. 

Ela vê-se sozinha no meio de um turbilhão de emoções e só tem praticamente o seu amigo, Case. Com Case ela pode contar. 

No entanto, Case é irmão de um influente duque, Justin, que não quer que ele seja amigo de Jillian. O que Justin não sabia é que Jillian é bastante diferente daquilo que a sociedade pensa e daquilo que ele próprio queria pensar. Será que o preconceito dará lugar a uma bela história de amor?


Opinião:

Leitura conjunta.

Apesar de ter lido algumas opiniões não tão favoráveis, fiquei extremamente agradada com este livro, uma vez que não estava a contar que fosse tão bom, possivelmente muito mais interessante do que grande parte dos romances de época que tenho lido, uma vez que toca em temas bastante sensíveis e fortes. 

A forma como as personagens vão agindo e como a narrativa evolui é muito interessante de se acompanhar e revela uma grande maturidade da maior parte das personagens. Gostei muito de como o romance se desenvolveu: não foi instantâneo, nem à primeira vista, nem nada do género como por vezes acontece neste género de histórias. Não. Aqui há um desenvolvimento emocional entre as personagens, bastante credível e bem elaborado. Gostei muito disso, porque revela um amor mais de acordo com a realidade e não tão como um amor "ideal". 

Também achei muito interessante e maduro a parte da violência doméstica. É um tema forte, sim. É um tema que deve ser exposto e não deve ser encarado de modo infantil ou preconceituoso. É algo que existe, infelizmente, e que tem de ser combatido com todas as armas que estão disponíveis. Uma dessas armas pode muito bem ser a forma como o tema surge em debates, histórias ou conversas. É um tema que não se deve ter vergonha de debater, porque existe e é terrível. Por isso tudo achei muito interessante estar presente num livro deste género, porque muitas vezes vemos nestas histórias algo "cor-de-rosa" ou mais fofinho e as relações nem sempre o são. E os preconceitos, como aparecem na história e como são postos a nú e desconstruídos, também devem ser combatidos na vida real. Só há um culpado em casos destes: o agressor e nunca a vítima. 

Também as personagens são bastante marcantes e com personalidades muito diversas. Jillian é uma jovem com uma mente mais aberta do que a maioria das jovens da época em que a história é narrada, e isso é sempre interessante. Case também é muito interessante e um bom amigo. E Justin, bem...Justin é um autêntico cavalheiro.

É uma história bem elaborada, com muitos acontecimentos e muitos momentos emocionantes. Tem romance, intriga e muita ação. Em relação à ação, gostei especialmente da forma como os tudo foi encaixando e como os mistérios foram sendo resolvidos. Surpreendeu-me pela positiva! 

Em suma, um belo romance de época, com um contexto um tanto diferente e personagens muito interessantes. Recomendo. 

NOTA (0 a 10): 8

sexta-feira, 4 de junho de 2021

Crooked Kingdom, de Leigh Bardugo

Sinopse:

Após os emocionantes acontecimentos vividos em Six of Crows, o bando de Kaz vê-se numa situação diferente daquela a que geralmente estão habituados. E também no meio de uma cidade que anteriormente era a sua segurança e agora parece ser extremamente hostil, onde nada é o que parece e tudo pode ser perigoso. 

Kaz tem pela frente uma tarefa muito perigosa e terá de recorrer a muitos esquemas e planos para conseguir resolver a tarefa, mesmo que isso custe mais do que aquilo que ele estaria anteriormente disposto a pensar. 

Mas para além disso, há muito mais em jogo e o grupo vai ter que saber muito bem como atravessar uma situação cheia de perigos e muita emoção. 


Opinião:

Leitura conjunta.

Que loucura de história! Completamente alucinante e de fazer uma pessoa estar sempre com os nervos à flor da pele, Crooked Kingdom consegue ser ainda melhor do que Six of Crows. Atenção!!! Six of Crows é completamente fascinante e único! O que quero dizer com "Crooked Kingdom consegue ser ainda melhor do que Six of Crows" é que existem determinados acontecimentos ao longo da narrativa que me agradaram imensamente em relação a algumas das personagens da história (em especial Kaz e Inej). 

De um plano praticamente impossível para por em prática um golpe também impossível, passamos para o centro de Ketterdam, do seu Conselho de Mercadores, da embaixada de Ravka na cidade, de problemas políticos, da revolta de gangues e de perigos ainda maiores do que aqueles que o bando de Kaz enfrentou no primeiro volume. Gostei imenso de ficar a conhecer Ketterdam ainda melhor: as ruas, as casas, a política, as diferenças entre ela e outros locais (com Ravka e Fjerda). Foi como que uma visita guiada pelas ruas do Barrel, pelos vários setores da cidade. Foi fantástico. 

Outro aspeto que me maravilhou foi a riqueza e complexidade do passado das personagens e de como ele se interliga com todas as ações do presente da história. Neste livro ficamos a saber muito mais sobre cada uma das personagens e isso está feito de modo único e perfeito. Gostei muito de ficar a conhecer novas personagens, em especial o pai de Jesper, mas também outras personagens do passado de cada um dos membros do grupo. Também gostei muito de ficar a conhecer mais sobre alguns dos membros do Conselho de Mercadores e mesmo dos gangues. 

Gostei muito da forma como as personagens vão conseguindo por os seus traumas à prova e de como vão conseguindo lidar com as mais diversas situações e perigos loucos que vão aparecendo. Grandes momentos de ansiedade!!! Que loucura! É uma aventura completamente louca e tão linda! 

As personagens são únicas e fiquei com a sensação de que os conheço muito bem depois de ler estes dois livros. A história está tão bela e é tão forte que as personagens acabam por fazer parte dos nossos corações. Passei o livro a torcer por elas, ansiosa por elas...é uma emoção muito forte. É simplesmente delicioso ler uma história assim e sentir as mais diversas emoções ao longo da leitura. 

Uma história repleta de emoções, onde cada momento se encaixa e tudo faz sentido à medida que a história vai acontecendo. Detalhes únicos, minúsculos...todos eles perfeitos e delicados. O ritmo volta a ser como em Six of Crows, quanto maior a ação, maior o ritmo da escrita e também da leitura. 

Sem dúvida, uma história que vai ficar no meu coração e que recomendo totalmente a todos os que gostam de personagens fortes e marcantes, bem como de narrativas cheias de emoção. 

NOTA (0 a 10): 10

quarta-feira, 2 de junho de 2021

Six of Crows, de Leigh Bardugo

Sinopse:

Na cidade de Ketterdam, há sempre muito que fazer e muito que saber. Kaz Brekker, jovem encarregado do gangue dos Dregs, tem como objetivo ser o melhor de todos os encarregados de gangues e tornar-se ele próprio chefe do seu próprio gangue. Para isso há que construir uma certa reputação e ter os companheiros adequados para os mais diversos golpes e trabalhos. 

Uma noite, quando Kaz estava a caminhar pelas ruas da mais movimentada cidade da ilha, acaba por ser intercetado por um dos mais influentes mercadores da cidade, que lhe oferece uma oportunidade e ganhar imenso dinheiro. Para tal só tem de fazer um trabalho impossível: entrar na Ice Court, o sítio mais vigiado e guardado de toda Fjerda, e raptar o inventor de jurda parem, uma droga que pode destruir toda uma civilização, pois tem como alvo os Grisha e os seus poderes. 

Kaz tem então pela frente um trabalho impossível e tem de juntar um grupo de pessoas para por o plano em movimento: Inej, a sua espia que também tem muito a dizer no que diz respeito ao manuseamento de facas; Jesper, um fantástico atirador que parece ter superpoderes com as pistolas; Nina, uma Grisha Heartrender longe de Ravka; Matthias, um soldado de Fjerda que está preso e tem algo a ver com Nina; Wylan, o filho do mercador em questão e que tem grandes conhecimentos de bombas e explosivos, bem como de mapas e plantas do local a assaltar. Com toda a inteligência de Kaz e o seu famoso conhecimento para abrir todas as portas e fechaduras, o grupo terá pela frente uma única e emocionante aventura que parece ter como objetivo salvar todos os cidadãos e ganhar muito dinheiro. Será que vão conseguir?


Opinião:

Que maravilha de história e de personagens!!! 

Decidi ler este livro logo após o Siege and Storm, da mesma autora, e que faz parte da trilogia Grisha, porque não conseguia esperar mais. Quando comecei a ver a série da Netflix, Shadow and Bone, fiquei inteiramente rendida às personagens de Ketterdam, em especial a Kaz, Inej e Jesper e depois a Nina e a Matthias. Confesso que gosto muito mais dos momentos em que aparecem estas personagens do que dos momentos da Alina, Mal e Darkling. Quando comecei a ver a série não conhecia nada em relação a Ketterdam e às personagens do Six of Crows e foi com imenso prazer que me dediquei à leitura do livro. E ainda bem que o fiz porque é simplesmente fantástico e único! Só tenho elogios a fazer, tanto à narrativa como às personagens. 

Fiquei completamente apaixonada pela história e vivi cada momento das aventuras do gangue com muita emoção e também carinho, porque foi impossível não criar afinidade com as persoangens, em especial, com o Kaz e a Inej (se bem que, no fundo, com todos os membros do grupo). 

Ao longo da narrativa vamos também conhecendo melhor o passado de cada personagem e desvendando muitos dos mistérios que as rodeiam e que levam a compreender as suas atitudes e os seus pensamentos. Isso está feito com tanta mestria que desenvolve essa afinidade para com as personagens. Para tal também ajuda o facto da história estar organizada por capítulos de cada personagem. 

O ritmo é frenético e alucinante e à medida que a história vai aproximando-se dos momentos cruciais e mais decisivos esse ritmo é ainda mais acentuado: capítulos mais curtos, ação mais forte e direta. Existe uma união perfeita entre o passado das personagens e o presente do momento em que estão a viver. Outro aspeto fundamental é o mistério à volta do plano de Kaz para desenvolver o trabalho. O plano vai sendo posto em prática à medida que a história se desenvolve e o leitor vai levado pela ação e tem de acompanhar as jogadas dele, os seus raciocínios e decisões. Isso é feito com enorme mestria. Eventualmente, existem momentos onde alguns aspetos são mais explorados e explicados e é aí que ainda ficamos mais maravilhados com a inteligência do plano e das ações pedidas por Kaz aos outros membros do gupo. Simplesmente fantástico! 

Podia ficar aqui a escrever sobre o livro infinitamente, porque, como já devem ter percebido, fiquei completamente apaixonada e emocionada. Sem dúvida, um dos melhores livros que li até agora. É uma história que comove, que diverte, que faz estar sempre numa ansiedade total por causa de tudo o que acontece ao longo da narrativa. E as personagens são simplesmente únicas e preciosas. 

Em suma, recomendo totalmente a todos os que gostam de viver aventuras literárias emocionantes! 

NOTA (0 a 10): 10 

segunda-feira, 24 de maio de 2021

O Casamento Inventado, de Julia Quinn

Sinopse:

Cecilia foi para a América em busca do seu irmão, que tinha dado como desaparecido durante a guerra. Porém, em vez de encontrar o irmão, acaba por encontrar o amigo do irmão: Edward. Edward está desacordado numa cama de hospital e Cecilia tenta ajudá-lo. Ao fazê-lo descobre uma coisa que vai mudar a sua história. Ela descobre que se disser que é casada com Edward será muito mais fácil procurar o irmão e também cuidar de Edward. Assim, quando Edward acorda com problemas na memória, a jovem entra numa espiral de mentiras e acaba por inventar uma realidade totalmente inventada, uma realidade em que ambos são marido e mulher.



Opinião:

Leitura conjunta.

Um dos meus livros favoritos da autora! Talvez mesmo o meu favorito! E porquê? Porque tem uma história um bocadinho diferente das dos outros volumes. Não há bailes, nem aqueles momentos em sociedade, fofocas e por aí. São aspetos interessantes, mas que não são os meus favoritos e foi uma lufada de ar fresco não estarem presentes neste romance de época. Também achei muito interessante toda a parte mais militar e em relação a Cecilia cuidar de Edward. Foi muito amoroso! 

Gostei muito da forma como a história começa e de como vai acontecendo. Cecilia é uma excelente personagem: diferente, inteligente e desenvencilhada. Edward é um amor, muito carinhoso, mas também muito prático e inteligente. Um par muito interessante, com um contexto muito diferente daquele a que a autora tem habituado os leitores: um contexto de guerra em vez de bailes e a sociedade de Londres. 

É um contexto mais sério e o conteúdo do livro é ele também mais sério. A parte romântica também é desenvolvida de um modo mais intímo, com mais emoção. Só a expectativa de estar sempre a tentar descobrir quando e como Edward irá descobrir a situação em que está metido é meio caminhado andado para a magia da história. 

A escrita é muito fluída, tal como a autora já nos habituou. Há descrições, mas os diálogos são em muito maior número. Lê-se muito rapidamente e de modo bastante agradável, se bem que há momentos de grande intensidade e emoção. O romance é muito bonito e acaba por desenvolver-se de modo bastante intenso e forte. 

Em suma, uma bonita história de amor! Recomendo a todos os que gostam deste género literário. 

NOTA (0 a 10): 9

Siege and Storm, de Leigh Bardugo

Sinopse:

Depois dos acontecimentos do primeiro volume, Alina e Mal encontram-se a viajar para longe de Ravka em busca de alguma espécie de solidão e afastamento em relação aos acontecimentos traumatizantes no Sulco e em relação ao Darkling. 

Porém, quando Alina e Mal tentam encontrar alguma nova maneira de viver longe de Ravka, são surpeendidos novamente pelo Darkling e alguns dos seus apoiantes e acabam por ser levados novamente numa aventura perigosa e emocioante. Será que Alina e o seu fiel amigo conseguem escapar das garras do Darkling e tentar resolver os problemas de Ravka à sua maneira? 


Opinião:

Este segundo volume trouxe algo à história que me tinha ficado a escapar no primeiro: contextualização. Apesar de ter gostado muito de Luz e Sombra, senti que poderia ter sido mais explorado, em especial a nível da política, da parte da história, da sociedade...enfim, do que dá contexto a um novo universo. Encontrei isso tudo neste volume e só por isso gostei muito mais do que do primeiro. 

Mas não foi apenas por isso! Gostei mais da forma como os acontecimentos se desenrolam, da forma mais madura e ponderada em relação às atitudes e decisões de Alina, das novas personagens (em especial de Nikolai, que só ele um dos fatores de maior interesse do livro!) e também do modo com a história é contada. 

Alina está mais interessante, mais ponderada. Não há tantas descrições em relação a aspetos físicos e mais em relação a aspetos de contextualização. Também há mais intriga política e mais emoção, em especial no início do livro e na reta final. Mal também se mostrou mais interessante. No geral, todas as personagens se tornaram mais interessantes, a meu ver. 

Outro aspeto que me agradou muito foi a forma como a história vai sendo narrada e como parece ter um ritmo idêntico àquele que vai acontecendo na narrativa. Grande emoção numa parte inicial, muita ação e um ritmo frenético. Depois, um ritmo mais suave, mais calmo, onde acontece tudo com mais vagar. E de seguida, um ritmo novamente frenético, completamente alucinante, a condizer com a rapidez com que certos acontecimentos são postos em prática na história. Esta forma de organização, para mim, está perfeita! 

Em suma, um excelente segundo volume que me prendeu totalmente e me fez ansiar pelo terceiro volume! Lê-se de modo muito fluído e agradável e está repleto de emoção, ação e muita intriga. Recomendo totalmente! 

NOTA (0 a 10): 9,5