sexta-feira, 3 de novembro de 2017

The Boy With The Porcelain Blade, de Den Patrick

Sinopse:

Lucien é um Orfano, um jovem com capacidades especiais, e está prestes a realizar o seu último teste para ingressar na sociedade de Landfall, bem como numa das suas quatro casas. Com capacidades extraordinárias para o uso da espada, Lucien quer ser um importante homem de armas, para assim defender o seu rei. Porém, quando o seu mundo muda e se vê como um proscrito, Lucien tem de fazer tudo para se salvar... a si e aos seus amigos. 



Opinião:

Um livro que me chamou a atenção pela capa e pelo título e que conseguiu prender-me até ao final, se bem que, pelo meio, existam algumas partes mais mornas. É o primeiro de uma trilogia, (Erebus Sequence) e ainda não há em Português. Gostei bastante d' O Rapaz com a Espada de Porcelana.

Passado em Landfall, uma terra com inspirações italianas e renascentistas, com um toque de Scott Lynch e Mervyn Peake (apesar de este autor ainda não ter lido), este primeiro volume centra-se na personagem de Lucien, que é um Orfano, ou seja, um membro distinto da sociedade, cuja ascendência é desconhecida e com características diferentes, em especial particularidades estranhas, sendo que, no caso de Lucien, é não ter orelhas, em conjunto com o sangue azul que todos os Orfanos partilham. 

Lucien foi criado pelos melhores professores para ser um género de par do reino e para servir o rei de Landfall, uma figura misteriosa e reclusa na sua torre, que todos temem mas não conhecem. Sempre alvo de gozo e bulling pelos outros colegas (Orfanos e não-orfanos), Lucien, um dos Orfanos com menos capacidades para lutas, cedo teve de arranjar outras armas para sobreviver numa sociedade hostil, tornando-se misterioso e bastante inteligente. Porém, quando é expulso da sociedade pelos seus superiores, vê-se na situação de tentar salvar-se a si mesmo, mas também àqueles que o tinham ajudado, e que também estavam a sofrer perseguições. 

Não querendo estar a levantar muitos spoilers, porque isso estragaria a possível leitura de muitos de vós, não há muito mais para acrescentar ao enredo. O forte do livro é mesmo o mistério à volta da ascendência dos Orfanos, da figura do rei e dos podres da sociedade de Landfall, que acabam por ser extremamente negros, dando ao livro um cariz muito misterioso e até macabro, em especial nalgumas das partes finais. 

Lucien é uma excelente personagem, muito carismática e honrada, que faz tudo pelos seus amigos e por aqueles que necessitam, mesmo que não gostem dele. Muito altruísta e de bom coração, conseguiu-me prender durante todo o livro, na expectativa de saber como é que ele iria escapar da quantidade de perigos pelos quais vai passando ao longo da história. Também há outras personagens muito interessantes, tais como: Anea, Dino, Mojordomo, entre outras, que trazem complexidade e mistério à história. 

A estrutura narrativa é dividida em duas: presente e passado, sempre pelos olhos de Lucien, se bem que não seja ele o narrador. Tal estrutura torna a leitura também mais interessante, uma vez que os acontecimentos do passado estão sempre intimamente ligados com os do presente da personagem.

Gostei muito da história em si, do mistério criado, da ação, das emoções, mas achei que tinha descrições a mais e contextualização a menos. Ou seja, o mundo criado pelo autor podia estar mais desenvolvido. Gostava mais de saber factos, curiosidades, as bases de Landfall (para além dos pequenos detalhes que vão aparecendo e que são poucos) e do seu castelo gigante, da sua sociedade, dos seus costumes. Enfim, podia ter mais identidade. Tirando isso, e em especial a parte final, o livro é excelente. 

Toda a sequência final é estrondosa, o que acaba por salvar outros aspetos menos interessantes. Sem dúvida, a parte da luta final é uma das mais vibrantes dos livros que tenho lido. 

Em suma, um livro interessante, com personagens enigmáticas e uma história rica e cheia de ação. Espero que os próximos sejam ainda melhores e que se fica a saber mais sobre este contexto! 

NOTA (0 a 10): 8  

A Roda do Tempo - A Grande Caçada, de Robert Jordan

Sinopse:

Este volume retoma a aventura vivida por Rand e companhia no livro anterior. 

O Corno de Valere tem de ser entregue e assim se trata do assunto para tal acontecer. Porém, os servos da Sombra são muitos e perigosos e o Corno acaba por ser roubado. Rand e companhia têm de o descobrir e entregar, pois, quem soprar o Corno tem o poder de trazer os Grandes Heróis já mortos, e dobrá-los à sua vontade. 




Opinião:

Já li o primeiro há alguns anos, mas foi com grande entusiasmo que voltei ao mundo da Roda do Tempo. Encontrei personagens que são únicas e a história ainda se adensou mais, mostrando mais do mundo criado pelo autor. Foi, sem dúvida, uma excelente aventura. 

Voltar a encontrar Rand foi muio bom, em especial porque vai amadurecendo bastante ao longo do livro. Tal também acontece com todas as personagens, se bem que umas não apareçam tanto como eu esperava, como Moiraine, que é uma das minhas favoritas, e Mat. No entanto, aparecem outras personagens que também trazem interesse há vasta aventura vivida neste volume. 

A nível do enrendo, achei que tudo está muito bem contextualizado, bem como tudo bem entrançado. Nada fica solto dentro do tear da roda que faz a história girar, nem um fio! A não ser aqueles que têm de ficar para juntar aos outros volumes e assim adensar ainda mais o mistério, tornando-o ainda mais rico e grandioso. Gostei da forma como o autor conduziu a narrativa, com um final apoteótico. Não há momentos "parados", nem nada disso. O ritmo é constante, bem como a quantidade de peripécias, que são bastantes. 

A história é como que dividida em várias partes, se bem que tal não tem uma divisão própria, tal como aconteceu no anterior. Gostei de todas as partes, se bem que aquelas em que Rand tem mais aventuras e onde aparece uma certa personagem misteriosa, bem como partes mágicas misteriosas e estranhas, foram aquelas que mais me agarraram, pois foi o que mais diferente houve ao londo da narrativa. Também gostei muito da parte final, repleta de emoção e ação, com tudo a acontecer ao mesmo tempo. Existem momentos de bom suspense, com descrições muito fortes e que prendem o leitor de uma forma bastante possante. 

Quanto às descrições, todas elas são essenciais e brilhantes, permitindo ao leitor ir para dentro da obra. Quando isto acontece, é sinal que o autor fez o seu trabalho maravilhosamente, a meu ver. Não são em demasia, são na quantidade certa e são um deleite. 

Em suma, uma aventura cheia de ação, emoção, honra, sacrifício e do melhor que a Fantasia tem para oferecer. Recomendo a todos! 

NOTA (0 a 10): 10 

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Festival Bang! - Divulgação

Hoje venho divulgar o Festival Bang! que é neste sábado, dia 28 de outubro. 

Vai decorrer no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, e vai ter atividades muito interessantes e fantásticas. Anne Bishop vai lá estar, bem como a banda Moonspell. 

Os Moonspell vão apresentar detalhes da biografia da banda, escrita por Ricardo Amorim, e que vai ser publicada pela Edições Saída de Emergência no próximo ano.  Vai ser um momento único e mágico, uma vez que, para além do que já referi, serão lidos excertos da obra e haverá um showcase da banda. 

Todo o evento é algo único por cá, portanto, não deixem de participar! 

Podem comprar os bilhetes em Ticketline e nos locais habituais. 
Mais informações aqui.


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Festival Bang! - Divulgação

Vai decorrer, no dia  28 de outubro, o Festival Bang!, organizado pela Edições Saída de Emergência. Vai ser no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. 

Haverá palestras, sessões de autógrafos, exposições sobre Edgar Allan Poe, demonstrações de cosplay, momentos musicais, e muitos mais eventos para animar e comemorar a primeira edição de um festival que promete ser Fantástico! 

Anne Bishop vai estar presente, sendo a convidada de honra. A não perder! 

Os bilhetes podem ser adquiridos no ticketline e locais habituais, sendo a entrada interdita a menores de 6 anos. Dos 6 aos 10 anos a entrada é grátis e, a partir dos 10 anos, o bilhete custa 5 euros. Esse valor será descontado na compra de livros durante o Festival. 

Não faltem, vai ser um espetáculo fantástico! 


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Implacável, de Sherrilyn Kenyon

Sinopse:

Vive rapidamente, luta ferozmente e, se morreres, leva contigo o maior número de inimigos que conseguires.

É de acordo com este lema das Amazonas que Samia vive e pelo qual morreria. Na Nova Orleães contemporânea, a imortal Amazona está prestes a conhecer um mal pior do que tudo o que já encontrou e que está a chegar para massacrar a Humanidade. 

O transmorfo Dev Peltier guardou o Santuário durante praticamente duzentos anos e nesse período viu de tudo. Ou assim pensou. Agora, os seus inimigos descobriram uma nova fonte de poder - uma que torna tudo o que enfrentaram até agora uma brincadeira. 

A guerra começa, e Dev e Sam estão no centro dos acontecimentos. Mas, para vencerem, eles terão de quebrar a mais importante de todas as regras e esperar que isso não destrua o universo como o conhecem. (in Edições Saída de Emergência)


Opinião:

Este é o primeiro livro que leio desta autora. Não tenho grande gosto por este género de história paranormal, mas gosto de conhecer novas histórias e de estar por dentro dos vários géneros literários, portanto, decidi lê-lo. 

Com personagens interessantes e muito diferentes umas das outras, todas elas dão algo de si mesmo à história, formando um todo muito bom. Samia e Dev estão muito bem. As diferentes raças paranormais que vão aparecendo ao longo da narrativa também permitem uma heterogeneidade muito grande, o que promove uma história mais rica, diversa e complexa.  

A história é um grande padrão cheio de ação, mistério e amor. Com cenas muito calmas e engraçadas, até momentos de grande tensão, ação e perigo, a autora não pouca ao leitor as mais variadas emoções. É uma autêntica montanha russa de emoções! E isso é muito bom. 

Não há momentos parados, nem nada disso. O livro é pequeno, com uma escrita muito fluída e descontraída, o que faz com que seja lido num ápice, a juntar à adrenalina com que a história é contada, uma vez que a ação é total. 

Gostei da forma como a autora conseguiu criar momentos de grande tensão ao longo da narrativa e de como o fez de forma emocionante. Se der para ler de uma vez, é um livro que se lê num dia, tal não é a forma como a história envolve o leitor, em conjunto com a escrita veloz com que foi feito.

Apesar de não ser o género de história que mais me seduz, gostei de ler este livro. Gostei da forma sedutora com que alguns momentos são narrados, da ação constante, da escrita fluída e breve. Não posso dizer muito mais sobre a história, porque estaria a a contar partes importantes e não quero estragar a leitura aos outros leitores. 

Em suma, um livro interessante, cheio de ação, romance e muita adrenalina. 

NOTA (0 a 10):

domingo, 17 de setembro de 2017

Nimona, de Noelle Stevenson

Sinopse:

Obra vencedora do Prémio Eisner.

Quando o vilão Lorde Ballister Coração Negro conhece uma rapariga misteriosa de nome Nimona, ambos são impelidos a uma parceria criminosa com o objetivo de lançar o caos no reino. Assumem como missão provar perante todos que Sir Ambrosius Virilha Dourada e os seus comparsas no Instituto Para a Aplicação da Lei & Heroísmo não são tão heroicos e nobres como todos julgam.

Vão ocorrer imensas EXPLOSÕES.
E CIÊNCIA E TUBARÕES também não vão faltar. 

Mas quando simples atos traquinas se transformam numa batalha sem quartel, Lorde Coração Negro descobre que os poderes de Nimona são tão misteriosos quanto o seu passado. E o seu lado selvagem poderá ser muito mais perigoso do que ele próprio está disposto a admitir...

NÉMESIS!
DRAGÕES!
CIÊNCIA!
VENHA CONHECER NIMONA! (in Edições Saída de Emergência)



Opinião:

Desde que saiu lá fora que fiquei de olho nele. Quando a Edições Saída de Emergência o editou por cá, fiquei bastante contente e decidi lê-lo. Com o apoio da editora, lá me embrenhei nesta banda desenhada cheia de estilo, aventura e muitos momentos de ternura. 

Primeiro, tenho a referir a beleza das ilustrações. As personagens estão excelentes, cheias de expressão, cor e vida. A autora tem um traço muito interessante, criativo e original, que faz com que seja um deleite estar a ler este livro. As cores são muito vibrantes, dando um ar muito atual à história. Todo o enquadramento dos ambientes por onde andam as personagens é excelente, o que serve de contextualização perfeitamente! 

Quanto às personagens, só tenho a mencionar aspetos positivos. Todas elas são fantásticas e especiais! Nimona é muito misteriosa e cheia de segredos, o que faz dela uma das personagens mais estranhas e misteriosas da Literatura. Gostei muito dela e dei por mim a querer saber muito mais sobre o seu passado, como ficou assim...ou, o que é ela de verdade. Depois, Lorde Ballister Coração Negro consegue ser um dos vilões mais "fofos" e conscienciosos por estas bandas literárias. E Sir Ambrosius Virilha Dourada, o rival de Coração Negro, também é muito interessante, cheio de glamour e cavalaria. Em relação às outras personagens, também são muito interessantes e cheias de personalidade, o que contribui para o sucesso da história. De todas as personagens, e apesar de Nimona ser muito interessante, Lorde Ballister ganha o prémio de personagem mais fixe do livro. 

Em relação à história em si, achei-a muito boa. Talvez o início seja um pouco apressado e pudesse ter mais detalhes sobre o começo da vivência entre Coração Negro e Nimona, mas tirando isso, é muito coerente e repleto de momentos fortes. Gostei do rumo que a história levou, com todo o secretismo quanto à verdadeira identidade de Nimona e a natureza da relação entre Coração Negro e Virilha Dourada. Também gostei da forma como a autora conduziu cada momento desde o começo, fazendo cada detalhe ligar-se a outros aspetos mais lá para a frente na história, o que mostra a coerência da narrativa. O que começa por parecer "fofinho", passa a ser algo mais sério e com um enredo mais denso e forte. Achei que a parte final foi bem planeada e que foi bem conseguida. 

Talvez fosse interessante a autora dedicar-se a escrever a continuação. Penso que este é um mundo a explorar e que pode ter muito para mostrar. Toda a tecnologia e ciência presentes em conjunto com aspetos medievais e mágicos, foi um dos aspetos que mais me agradou nesta história e acho que isso pode ser explorado. Podia até haver histórias passadas antes dos acontecimentos narrados neste livro, que mostrassem como foi criada a Instituição e tudo isso. Seria interessante! 

Em suma, aqui está uma banda desenhada com uma boa história, simples, mas com a sua profundidade, que serve de metáfora a muitos aspetos. Personagens interessantes, engraçadas e misteriosas, a juntar a uma arte e a uma história muito bem contada e com todos os ingredientes que uma boa aventura deve ter. Uma excelente aposta da Edições Saída de Emergência, que recomendo sem reservas! 

NOTA (0 a 10): 9

sábado, 9 de setembro de 2017

Na Noite, de Kathryn Smith

Sinopse:

Wynthrope Ryland é um experiente ladrão que usa o seu charme junto de mulheres bonitas e com posses para conseguir os seus bens valiosos. No entanto, essa vida de crime não é a que deseja para si e, quando jurou deixá-la, eis que tem de cometer o último crime para proteger a carreira e a família do seu irmão North. 

Moira Tyndale, uma imponente viscondessa, é o seu último alvo. Porém, quando o descobre já uma profunda ligação os une. Wyn percebe que não pode mais ignorar a sua paixão. Deve proteger os seus segredos e o seu passado, mas não pode protegê-la de si mesmo. 

Como pode ele escolher entre o desejo do seu coração e a segurança do seu irmão? (in Goodreads)



Opinião:

Há alguns anos que tenho este livro para ler e foi agora que decidi pegar-lhe. Um romance com um laivo a mistério e aventura, com personagens enigmáticas e um tanto dúbias, até tinha tudo para ser um belo romance, mas acabou por ser um romance normal, que não me fascinou.

As personagens são interessantes, em especial Wynthrope, uma vez que é a mais misteriosa de todas as personagens, tanto devido ao seu passado obscuro, como aos seus comportamentos para com Moira e as outras personagens, incluindo os seus irmãos, que também formam um conjunto interessante. 

O enredo, em si, é bastante interessante e todo o mistério à volta do passado de Wynthrope faz com que o livro de leia num ápice e que seja uma experiência agradável, uma vez que dá ao romance um certo ar de mistério. No entanto, a parte do romance em si não me seduziu. Não me cativou, talvez porque não tenha sentido uma grande inovação face a outros romances dentro do género. Porém, não é um mau romance, longe disso. Há química entre as personagens, tudo está bem delineado e criado, não há falhas a nenhum nível, há a dose certa de cada ingrediente que cria um bom romance. 

Dei-lhe valor e achei-o bom, mas não me agarrou. Talvez tenha sido por não ter encontrado nas personagens aquela chama que por vezes encontro nalgumas das que povoam os livros...não consigo encontrar um motivo suficientemente válido para não me ter delicado com esta leitura. No fundo, achei que é um romance bom, que se lê descontraidamente e que é uma boa distração. 

Em relação às descrições, estas também estão interessantes, cheia de detalhes úteis e interessantes, que ajudam na criação de um ambiente vitoriano e sofisticado. 

Gostei do mistério que envolve o passado de Wyn, da sua luta por Moira, dos momentos entre Wyn e os irmãos. A escrita também facilita a rápida leitura, uma vez que é fluída e sem grandes floreados. 

Assim, este é um livro que se lê muito bem, como a maior parte deste género de romances. Apesar de não ter sido daqueles que mais gosto, serviu o seu propósito de entretenimento. Recomendo a todos os que gostam de um romance com tudo o que estes costumam ter, mais alguma dose de mistério e ação à mistura. 

NOTA (0 a 10): 7