sábado, 25 de setembro de 2021

Tower of Dawn, de Sarah J. Mass

Sinopse:

Sexto volume da saga Trono de Vidro

Neste volume acompanhamos a jornada de Chaol e de Nesryn até Antica, uma cidade muito diferente de todas as que já apareceram nos anteriores volumes da saga. 

Será que Chaol e Nesryn vão conseguir encontrar apoios para a sua Rainha em Antica? Ou será que vão encontrar ainda algo mais? Um livro repleto de emoção e muita ação! 


Opinião:

Depois de ter lido o quinto volume e de este ter terminado num estrondoso momento de assombro, foi com alguma apreensão que comecei a leitura deste volume, uma vez que não haveria muitas repostas aqui em relação aos acontecimentos do livro anterior. Não podia estar mais enganada.

Há imensas e fantásticas respostas aos acontecimentos tanto do livro anterior como de toda a saga e isso fez-me gostar muito deste volume. Alguns dos momentos e plot twists espantaram-me imenso e surpreenderam-me e isso foi muito bom. 

Gostei especialmente da contextualização de Antica, de toda a sua cultura e história. A forma como o universo desta saga vai-se expandindo à medida que os volumes vão aparecendo é muito bem conseguida e repleta de mestria. Isso influenciou muito a minha opinião positiva em relação a este volume porque dou muita importância ao worldbuilding, especialmente nos livros de Fantasia. 

Também gostei muito de conhecer novas personagens. Todas elas são fascinantes e todas elas oferecem algo especial ao enredo. Gostei especialmente de Yrene Towers e de toda a sua história, bem como do contexto em que se insere e de como a sua história se liga a todos os outros acontecimentos, tanto deste volume como dos anteriores. 

Assim, este volume é sem dúvida um dos meus favoritos da saga! Repleto de momentos apaixonados, mas também de muita ação e plot twists de enlouquecer o leitor, de certeza que é um volume que não vai deixar ninguém indiferente! Recomendo! 

NOTA (0 a 10): 9

King's Cage, de Victoria Aveyard

Sinopse:

Terceiro volume da saga Rainha Vermelha. 

Após os acontecimentos narrados em Espada de Vidro, Mare encontra-se presa e nas mãos do rei Maven e de toda a sua corte. 

Como será que Mare vai fazer para resolver a sua situação? 


Opinião:

Leitura conjunta

Li o primeiro e o segundo há alguns anos e gostei bastante do primeiro e menos do segundo. Por isso não estava com muitas expectativas para o terceiro, mas queria muito ler na mesma porque fiquei curiosa em relação à história e por gostar bastante de Maven. 

Sinto que o que me ajudou a ler o livro todo e a apreciar muito esta leitura foi mesmo o grupo de leitura, que foi muito divertido e interessante! Gostei imenso e espero que a leitura do quarto volume seja tão divertida como a deste volume.

Mare continua a ser a principal narradora, apesar de haver outros pontos de vista. Gostei especialmente da parte estratégica e política, bem como de todos os movimentos à volta de Maven e de outros mistérios da corte. 

No entanto houve demasiada descrição que não trouxe nada à história, em especial no início do livro. Tirando isso, foi uma boa história, melhor do que a segunda, mas não melhor do que a primeira, pelo menos na minha opinião.

Apesar disso, a escrita é muito fluente e o livro lê-se muito, muito bem, de modo super fluído e emocionante. 

Recomendo a todos os que gostam desta saga e que gostam de ação, romance e plot twists! 

NOTA (0 a 10): 7,5

terça-feira, 21 de setembro de 2021

The Song of Achilles, de Madeline Miller

Sinopse:

A história da conquista da guerra de Tróia, vista por outra prespetiva, narrada por Patroclus, amigo muito especial de Aquiles.

Uma história que é mais do que História, é uma ode ao amor, um poema narrativo repeleto de momentos épicos e cheios de emoção.

Não há muito para referir sem dar spoilers.



Opinião:

Leitura em conjunto

Apesar de ter gostado muito do livro, em especial da história entre Patroclus e Aquiles, penso que poderia ter sido adotado outro estilo de narrativa. Achei que houve, no total, poucos diálogos para a ação em si. T

Gostei muito das personagens, em especial de ambos os rapazes. A forma como a história entre ambos se vai desenvolvendo e de como cresce ao longo da narrativa está muito bem conseguida, muito trabalhada e é a melhor parte do livro, o que mais se destaca e dá consistência ao enredo. 

O ritmo da narrativa não me pareceu o mais adequado para a história que é, no entanto dá-lhe um certo ritmo épico mais tranquilo e suave. 

Apesar dos diálogos não serem em grande quantidade, é um livro que se lê bastante rápido e de modo fluente. Isso é muito bom, pois acaba por dar algum ritmo à narrativa.

Em suma, uma bonita história, onde se aprende alguns factos históricos, contada de um modo bastante bucólico e belo. Recomendo a quem gosta deste género de histórias.

NOTA (0 a 10): 7

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Empire of Storms, de Sarah J. Maas

Sinopse:

Depois dos acontecimentos passados no volume anterior, Aelin vê-se numa jornada em busca de apoios para a sua missão, encontrar as chaves, a fechadura, ajudar o mundo inteiro e saldar uma dívida antiquíssima. 

Enquanto isso, muitos são os outros acontecimentos que se vão envolvendo com a trama de Aelin de modo a criar uma história cheia de emoção e ação.

Será que Aelin vai conseguir ficar mais perto de alcançar a sua vitória?


Opinião:

Sem dúvida um livro com enorme potencial, repleto de ação, batalhas épicas, momentos alucinantes e tudo isso, mas que acaba por sofrer do mesmo do anterior: Aelin, a épica e maravilhosa protagonista, cuja grandiosidade está sempre a ser posta em destaque e que acaba por irritar o leitor, porque este é capaz de tirar as suas próprias conclusões sobre Aelin sem ter de estar sempre a ser bombardeado com frases e momentos que só servem para enaltecer Aelin e nada mais. Pois bem, eu gosto bastante da protagonista, acho-a verdadeiramente uma guerreira, mas não havia necessidade de estar sempre a ser relembrada de quão fixe ela é. Isso acaba por quebrar o ritmo da narrativa e não acrescenta nada. 

Também achei que houve alguns momentos repetitivos e que o livro podia ter tido muito menos páginas e contar exatamente o mesmo e ainda de uma maneira mais grandiosa, porque existe tanta coisa que é desnecessário que a ação principal acaba por se diluir um pouco. Mas mesmo assim tais aspetos menos positivos não conseguem fazer com que eu não tenha gostado do livro, aliás, gostei imenso, muito mais do que do anterior. 

Gostei mais deste volume em relação ao Queen of Shadows porque tem mais ação, tem um teor mais épico a nível de batalhas e do passado das personagens, em especial dos Fae antigos, que são uma das partes que mais me fascina nesta saga. Acho que a autora conseguiu aprofundar muito melhor alguns temas e interligar muitos aspetos do passado com o presente das personagens. Gostei muito de ficar a conhecer mais sobre a História deste universo, gostei de como foi aqui contextualizado e deu muito mais sentido à narrativa. Todos os mistérios e momentos de grande emoção foram excelentes e épicos, bem como toda a parte da Manon e do Dorian, que continuam a ser das minhas personagens favoritas. 

Sinto que o universo criado pela autora tem um potencial infinito e que tem tudo para ser extremamente bem explorado, o que é fantástico. 

Em suma, recomendo totalmente a todos os que já começaram a ler esta saga! 

NOTA (0 a 9): 8,5

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Queen of Shadows, de Sarah J. Maas

Sinopse:

Depois dos acontecimentos narrados no livro anterior, Aelin volta a Adarlan para resolver muitos dos assuntos que tem para resolver. 

Na busca pelo conhecimento e pelo passado de modo a resolver assuntos presentes, Aelin tem de formar planos e alianças para tentar combater o rei de Adarlan e também todos os outros inimigos que se lhe juntaram. 

Muita ação e aventura, bem como momentos bem românticos esperam o leitor neste volume. 



Opinião:

Tendo gostado muito do terceiro livro, ainda mais do que dos anteriores, foi com alguma surpresa que não gostei tanto deste volume como do terceiro. Sinceramente, gostei muito do início, depois foi tornando-se um tanto repetitivo, e depois termina com um momento épico e extremamente grandioso, cheio de ação e muita emoção. 

Pois bem, o que mais gostei foi mesmo o acompanhar os planos de Aelin, em especial na parte referente aos Assassinos, bem como a parte da Manon (de longe), todo o mistério à volta das chaves e dos Fae e depois a parte final que foi muito épica. 

Acho que este livro podia saído beneficiado se tivesse menos páginas. E porquê? Porque tem demasiadas repetições e há muitos detalhes sobre a Aelin que não são necessários para o desenvolvimento da história (a Aelin é muito fixe, mas não há necessidade de estarmos sempre a ser bombardeados com o facto de ela o ser...as suas ações falam por si e o leitor deve retirar as suas próprias ideias e opiniões). Ora, tirando isso, o livro seria fantástico. Assim, gostei, mas não está ao nível do anterior e não sei muito bem se está ao nível do primeiro e do segundo...talvez do segundo (gostei mais do primeiro do que do segundo e quarto). 

No entanto, o livro continua uma história que já é fantástica e cada vez vai expandido mais. Gosto especialmente do facto de haver muito mais desenvolvimento a nível da construção do universo e da sua contextualização. 

Em suma, gostei muito deste livro e recomendo-o a todos os que gostam deste género. 

NOTA (0 a 10): 8

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Os Segredos de Sir Richard Kenworthy, de Julia Quinn

Sinopse:

Sir Richard Kenworthy procura uma esposa por um motivo que só ele conhece e que não divulga. Quando encontra uma potencial candidata para esposa a sua alegria é infinita. Mas porque é que ele quer tanto uma esposa? Que segredos esconde? Um romance a não perder! 


Opinião:

Leitura conjunta. Muito obrigada pela experiência! Foi muito boa e divertida! 

Este é sem dúvida um volume com um enredo um pouco do habitual, até no tempo em que os vários acontecimentos narrativos têm lugar. E isso agradou-me pois foi diferente do que acontece nos livros anteriores. 

Também gostei bastante do mistério à volta de Sir Richard e dos seus motivos, bem como dos segredos relacionados com a sua família. Iris também é uma jovem bastante interessante e com uma personalidade um tanto diferente das outras protagonistas. O mesmo tenho a referir de Sir Richard. E também achei as restantes personagens interessantes. 

Porém não posso dizer que tenha ficado encantada com a história. Achei muito interessante, uma história leve e que cumpre o objetivo de agradar o leitor, mas não consegui estabelecer uma ligação mais afetuosa com as personagens e penso que o final foi bastante apressado. No entanto, gostei bastante da organização narrativa. 

Em suma, uma leitura agradável, dentro deste género literário. Recomendo a todos os que gostam destes livros. 

NOTA (0 a 10): 7

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Rule of Wolves, de Leigh Bardugo

Sinopse:

Após os acontecimentos em King of Scars, a guerra entre os diversos países parece algo cada vez mais real. Enquanto isso, Nikolai tem pela frente uma quantidade de decisões a tomar, todas elas complicadas e importantes. Zoya também, incluíndo seguir ou não o seu coração e o seu novo poder. Os Shu estão também muito empenhados em resolver ou não os seus assuntos. Nina encontra-se repleta de Fjerdans e no meio de uma intriga ainda maior que pode ou não ser a solução de Ravka. 

E depois há ainda as outras pesonagens que tanto mistério trazem a este volume, em especial o mais misterioso de todos que não vou aqui referir para não dar spoilers.

Muita ação, emoção e adrenalina no segundo volume da duologia King of Scars/Rule of Wolves. 



Opinião:

Leitura conjunta. Muito obrigada pela experiência! Foi uma maravilha! 

Que livro fantástico (tirando alguns aspetos que podiam ter sido muito mais desenvolvidos e que vou referir mais à frente)! 

Este volume é consideravelmente melhor do que o anterior, na minha opinião. Gostei especialmente da entrada de das personagens de Six of Crows/Crooked Kingdom (a minha grande expectativa durante toda a leitura!), gostei também da forma como a história se foi adensando e de como teve bastante ação durante todo o livro (não houve momentos parados) e também gostei mais da intriga e da forma como tudo se foi encaixando. 

Achei as personagens mais à vontade nos seus papéis e também senti que estavam cada vez mais desenvolvidas. Também acho que as relações entre as personagens foram ficando mais profundas e isso foi muito bonito de acompanhar. Apreciei também o facto de haver muitas ligações a outros acontecimentos narrados nos livros anteriores (de todo o Grishaverse).

No entanto houve alguns aspetos que acho que poderiam ter sido melhores. A parte em que Kaz e amigos apareceram podia ter sido mais desenvolvida; houve momentos de terror que não acrescentaram muito à história e que só serviram para fazer o leitor sofrer; a parte final podia ter sido mais trabalhada.

Se o livro tivesse tido mais páginas ainda teria ficado melhor e poderíamos ter saboreado ainda mais alguns detalhes narrativos e em relação às personagens. Acho que também poderia ter sido dado mais destaque a certas personagens e às suas histórias. 

A escrita continua a ser uma delícia e o ritmo é o apropriado para contar uma história excelente e cheia de emoção, amor e muita, muita ação. Ainda quero referir que este livro tem um cariz muito mais épico do que o anterior.

Em suma, gostei muito deste livro e recomendo-o totalmente!

NOTA (0 a 10): 9,5