sábado, 3 de março de 2018

City of Heavenly Fire, de Cassandra Clare

Sinopse:

Depois dos acontecimentos passados no livro anterior, City of Lost Souls (A Cidade das Almas Perdidas), Clare, Jace e companhia vêm-se envolvidos na mais perigosa guerra de todas: lutar contra a sua própria espécie. Sebastian criou uma nova taça, cujo feito é transformar Caçadores de Sombras em pérfidos seguidores de Sebastian, com o único desejo de destruir todos os Caçadores de Sombras. Enquanto as fileiras de Sebastian aumentam graças a vários ataques a Institutos, Clare e os amigos tentam descobrir um modo de o fazer parar. 



Opinião: 

O melhor livro da saga d' Os Instrumentos Mortais, sem dúvida. 

Neste livro a autora esmerou-se, trazendo de novo a sua mestria e força que pude encontrar na trilogia As Origens, que é a minha favorita. Tendo em conta que as personagens foram evoluindo bastante ao longo dos livros, é neste que assumem plenamente o controlo das suas fortes características. Finalmente pude ficar com uma ideia mais favorável quanto a Clare, que, mesmo não sendo das minhas personagens favoritas, ganhou um pouquinho neste volume. As outras personagens mantiveram o seu nível e revelaram-se à altura dos acontecimentos. Penso que consegui sentir mais emoção e preocupação pelas personagens neste volume, do que nos anteriores. Isso também está relacionado com o tom muito mais adulto, sombrio e sério deste livro em relação aos anteriores. 

Mas há outro grande fator que me fez gostar muito deste volume: certas personagens d' As Origens voltam a aparecer plenamente neste livro. Uma já tinha aparecido nos anteriores, mas sempre na sua forma de Irmão Silencioso, mas uma ainda não tinha aparecido. E, quando algo acontece à primeira que mencionei aqui neste parágrafo, Oh!, mas o livro e a história tornou-se muito mais emocionante. E claro, quando a outra personagem aparece também é uma alegria. 

A história é muito mais sombria, mais perigosa. Os laços entre as personagens tornam-se mais apertados e deixa de haver tanto espaço para o romance adolescente e para outras brincadeiras do género, que fizeram parte dos livros anteriores. Isso fez com que sentisse uma maior solidez e seriedade neste livro, o que me agradou bastante. 

O desenrolar da história também está excelente. Cassandra Clare é uma excelente contadora de histórias, muito meticulosa e muito atenta ao drama das personagens. Conseguiu, mais uma vez, dar um cunho imensamente humano e trágico a alguns dos momentos da narrativa, transformando-a numa guerra pela sobrevivência e pelo amor e amizade. Já tinha encontrado isso na outra trilogia. Não encontrei nos outros cinco livros anteriores a este trouxe de novo essa magia. 

Gostei da forma como a autora concluiu a história. Muita ação, muita emoção e, sobretudo, muito amor. Amor na sua forma plena. Porque, no fundo, esta é uma história de amor. Não apenas de romance. Não. É uma história de amor, em que tudo é feito por amor. Penso que a autora escolheu o melhor caminho para as personagens percorrerem, todas elas. É uma boa história. 

Em suma, a saga Os Instrumentos Mortais pode não ser das minhas favoritas, mas terminou maravilhosamente, mostrando um pouco daquela magia maravilhosa que encontrei quando li a trilogia As Origens. Um livro recheado de tudo o que uma boa história deve ter, que recomendo a todos os que gostam de Fantasia, magia, ação, emoção e amor. 

NOTA (0 a 10): 10

1 comentário: